02
ago
12

Qual é a metade da laranja?

Hoje eu tava esperando uma ideia cair no meu colo sobre que presente dar pro meu namorado de 1 ano de namoro, foi então que eu percebi: o maior presente que nós podemos dar um ao outro é ficarmos juntos. Pensei em zilhões de possibilidades, caixa dos sentidos, garrafa com carta, mural de fotos, almofada, fui no santo Google e não achei nada que me agradasse. Não que eu seja do tipo que ama demonstrações públicas de afeto mas resolvi que o melhor cartão que eu posso dar é um post aqui no meu blog:Eu pego um ônibus e nos assentos da minha frente tem duas mulheres, quando começo a prestar atenção na conversa delas percebo que o tema é “Como é difícil encontrar alguém hoje em dia”. É difícil? Pode até ser, mas impossível não é! Enquanto as pessoas reclamam que está impossível achar alguém que valha a pena, eu olho pro lado e só posso pensar o contrário.

As pessoas estão idealizando demais, exigentes demais, ansiosas demais e querendo tudo do jeito que querem na hora que querem. Você não pode passar um ano solteira que isso significa que você nunca vai encontrar alguém. Você não pode sair um sábado sem que alguém demonstre interesse por você. Se você fica com um cara e ele não te liga no dia seguinte, é o fim do mundo e você é a pior e mais feia das mulheres. Você está prestes a completar 30 e ainda não casou? Ih… No drama, please!

O amor é imprevisível! Ele te pega quando você decide dar um tempo de relacionamentos sérios, às 5h da manhã, bêbada, no fim de um show no qual você já ficou com 4 pessoas pra esquecer o mais recente ex-namorado. E enquanto você fica carente, sofrendo com comédias românticas e sábados vazios, ele passa correndo. Não adianta, quanto mais você pede por um namorado, mais longe fica o cara pelo qual você espera. Não é assim que funciona, o amor simplesmente não acontece quando você quer.

Enquanto você passa a noite esperando um determinado cara chegar em você, lançando seus melhores risinhos, sua melhor dancinha e jogada de cabelo… Esquece de olhar ao redor e reparar no cara que estava do outro lado e não tirou os olhos de você. É como diz Martha Medeiros “O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa”. Você esbarra em um cara no meio da rua, mil pensamentos te perturbam: “ele é até bonitinho”, “ele podia pedir desculpas e começar uma conversa”, “será que ele é casado?”… “e aí a gente ia casar e ter 3 filhos, morar num apartamento grande com vista pro mar…” – Nada acontece. Quando você está com a sua melhor roupa, o coração tranquilo, bem no emprego… Nada acontece. Quando você está com o seu melhor vestido, maquiagem impecável… Nada acontece!

Sabe aquele dia que você deixou de viajar com os amigos por causa do trabalho? Que você tá puto porque o pessoal tá tomando todas no feriadão prolongado e te ligando pra ter conversas bêbadas? Aquele dia que você saiu pra beber até trocar as pernas? Aquele dia que você resolveu pegar todas que dessem mole? Que você nem tá tão bem vestido? Que você foi de carona? É aí que o amor aparece, entre uma virada de tequila e outra.Ele pode vir com uma conversa mole do tipo “Oi Alice, como é seu nome?”, tipo esse que você pensa: “Que idiota!” mas acaba entrando na brincadeira já que você está bêbada demais pra filtrar e quando você vai ver se passou uma semana, um mês, um ano… Quem sabe não passa a vida toda com o idiota? E lá vem mais clichê: o amor pode estar em qualquer lugar. Pode ser aquele colega de trabalho aparentemente pacato ou aquele ator sensacional que você conheceu numa livraria por acaso. Nada é impossível, não é mesmo? Muito menos encontrar o amor. Mas é bom parar de procurar desesperadamente porque pode ser que enquanto você procura, ele também esteja atrás de você e vocês podem estar andando em círculos.

Não espere ouvir que ele te ama no dia do aniversário de namoro ou receber flores maravilhosas com um cartão incrível após a primeira transa. Você vai ouvir “eu te amo” num engarrafamento no fim de uma segunda-feira bem filha da puta, com os cabelos esquisitos, sem maquiagem e com a roupa de trabalho já amassada ou até no carnaval de Olinda, no meio de um encontro de blocos. E as flores? Bem, talvez ele te compre uma flor, sem cartão nem nada, naquele tiozinho que passou oferecendo, num botequim. Porque é como eu disse: o amor é imprevisível!
Amor não se procura. Amor se encontra. Amor não se pede nem se espera. Amor se vive. E não existe “o alguém pelo qual você sempre esperou”, existe alguém que tava no lugar certo e na hora certa e que soube ir ficando.Fizeram a gente acreditar que nós somos a metade de uma laranja. Que duas pessoas pensando igual, agindo igual, é o jeito certo para um relacionamento funcionar. Esqueceram de dizer que o nome disso é anulação. E que cada um de nós tem uma personalidade diferente e especial.

Ninguém nunca na vida vai ser perfeito pra você, ninguém te completa. É como diz a minha tia: a metade da laranja é uma maçã. Thanks God! Imagina se os dois fossem sentimentais demais? Ou insensíveis demais? O equilíbrio é que é bom!

Se você procura a outra metade da laranja, tenha certeza que decepções não irão faltar. Você não precisa da outra metade da laranja, de alguém que o complete. Porque nós já somos completos, precisamos de alguém que entenda e ame o fato de não termos formas e sementes iguais. Ninguém merece carregar nas costas o fardo de completar o que nos falta! E jogue as mãos para o céu aquele que encontrou sua metade da maçã!


0 Responses to “Qual é a metade da laranja?”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: