20
set
10

Do jogo da conquista.

Taí, já ouviu falar em “Id”, “Ego” e “Superego”? O “Id” costuma ser o capetinha que te faz achar que pode tudo. Sabe aquela vontade de correr pelado no meio da rua num dia de chuva? Pronto, ele diz que você pode e deve fazer. Ele não tem medo, nem regras… ele te traz todos as suas necessidades (ou até desejos) mais primitivos. Daí aparece o “Superego” e te mostra o que os outros vão pensar disso, te lembra que existe uma sociedade e que você não pode destoar tanto dela fazendo o que te dá na telha, enfim… o “Superego” tenta te fazer politicamente correto.

Aí você me pergunta: E o “Ego”? Bom, você pode pensar como sendo você, no meio da briga eterna e interna entre “Id” e “Superego”. Pois é, meu caro, você nada mais é do que um mediador dessa briga, o que resulta dela… Pode acreditar em mim, a briga é feia. Nunca vi coisas tão opostas e que se odeiam tanto! E você, querido “Ego” pode discordar de mim, mas querendo ou não, o “Id” geralmente é o campeão, já que contorna o “Superego”de diversas maneiras, e no fim ele dá o jeito dele de fazer sua vontade se realizar.

O diabinho, ou seja, o “Id” tem umas armas muito baixas pra fazer da sua vontade realidade. Posso enumerar as principais: 1) Bebida: Já percebeu que quando você bebe você ama todo mundo, liga pra aquele cara, perde a razão, chora, ri, dança, canta, faz piadinha, seduz, mostra carência, fala demais… enfim, você perde a censura(vulgo “Superego”). Mas, é óbvio que o “Superego” vai se vingar, e pra isso existe o dia seguinte, e a ressaca MORAL: você jura nunca mais beber e fica lembrando e relembrando(do que consegue lembrar) a noite anterior.

2) Carnaval: Tudo bem, ele normalmente já vem associado a bebida, mas convenhamos, não é necessário ficar bêbado pra fazer loucuras no carnaval, o próprio clima e momento te empurram a surtar! Vai dizer que você não sai de casa carregando de tudo, menos o seu “Superego”? Pois é! No carnaval tudo pode, não tem ninguém pra te podar e dizer que você não pode beijar 15 em filinha! Ou que você não deve usar aquelas cantadas baratas. Ou que homem não pode se vestir de mulher, nem mulher de homem. Ou até que não pode dançar frevo com uma tiazinha estranha que tá vendendo cerveja!

E agora você está se perguntando qual o sentido dessa psicologia toda aqui. É simples. Tá, não é tão simples! Eu falei tudo isso pra chegar num ponto: até onde a gente se permite ser “Id” ou “Superego” na arte da conquista?

Não pode ligar, mesmo morrendo de vontade de ligar. Não pode dar na cara que tá a fim, não pode dar na primeira noite, não pode procurar, não pode demonstrar interesse… “não, não e não”, seria esse o “superego” te podando? Regras e mais regras. Se você demonstra demais, ele vai te usar, pisar em você e te largar. Se você não demonstra, ele vai achar que você não quer nada e isso vai desencorajá-lo a te procurar. Qual é o meio-termo?

Aí entro eu como exemplo: durante muito tempo não me preocupei em como agir com alguém, porque geralmente eu não me interessava. E de alguma maneira muito estranha isso fazia com que o fulano de tal corresse loucamente atrás de mim. O que não me importava lhufas, porque, na verdade, eu não tava nem aí pra ele. Mas, chega um momento em que você se interessa, e aí? Tava desacostumada com isso! Como dizer que foi legal ver a pessoa sem parecer piegas ou perseguidora? Como dizer que gosta de estar com a pessoa, mas hoje não tá a fim de sair de casa? Todas as suas ações tem que ser muito cautelosas pra não descumprir essas regras desse manual tão variante e confuso, que é o da conquista.

E é um tal de “faz isso, faz aquilo”, como se você tivesse um ritual de conduta a seguir. Como se pra alguém se interessar e/ou se apaixonar por você fosse necessário você ser outra pessoa, uma pessoa que é feita praticamente toda de “superego”(o que pra mim significa dizer que você é um completo chato de galochas). Você conhece a pessoa “certa” e passa a ser um personagem criado por matérias de “conquiste fulano(a)”, e mesmo assim a pessoa vai embora e você não entende, seguiu tudo direitinho…

A verdade é que não tem regra! Para cada pessoa que você encontrar na vida, vai ter uma maneira de conquistar. Porque não existe um só tipo de pessoa, existem pessoas carentes, bem resolvidas, divertidas, preguiçosas, antipáticas, porra-loucas, recatadas… E talvez não faça sentido pra uma pessoa porra-louca que você ligue a toda hora, mas pra uma pessoa carente, faz total sentido(só exemplificando).

Te dizem pra não ligar porque se ele realmente quiser algo com você, vai ligar. Aí você espera ele fazer contato, mas ele não faz. Aí você depois de muita peleja resolve ligar, e aí você descobre que ele tá chateado porque você não ligou e ele diz que chegou a conclusão que você não gosta dele, porque se você gostasse já teria aparecido. QUÊ??? Aí você puta da vida, chuta o balde, a parede, e o pneu do carro, dá um grito abafado no travesseiro, e de tanto checar o celular descarrega ele.

Essa é a primeira regra que você deve aprender: esqueça o que te disseram sobre conquistar alguém. Esqueça também o que dizem sobre a pessoa que você tá a fim, só você sabe como ela realmente age com você. E como ela agiu com os outros casos dela, até importa, mas não é o principal. Dizem que as mulheres gostam de romancinho, mas tem tantas aí pra mostrar que elas gostam mesmo é dos cachorros. Dizem que eles não gostam das que ficam atrás, que grudam, mas se você não tá nem aí, eles ficam inseguros pensando o que fizeram que não te fez ficar atrás. E cada um tem seu palpite sobre a melhor maneira de conquistar alguém.

Eu, sinceramente falando acho que quanto menos você pensa, melhor. Eu sei que é difícil não pensar, mas eu digo, quanto menos você tenta racionalizar as emoções e sentimentos mais fácil fica de lidar. É só sentir. Mande o “Superego” tirar um cochilinho às vezes. Seja você, aponte pra fé e reme! Se vai dar certo? Ninguém sabe, as chances são divididas em 50% para dar certo e 50% para não dar, em tudo que você faz.

É muito mais fácil você apresentar de cara os seus gostos, suas manias, dizer sim pra o que quiser que seja, e não para o que quiser que não seja. Não adianta fazer de conta que você não chora assistindo Breakfeast at Tiffany’s, porque um dia ele vai saber. Não adianta fingir que você não precisa de atenção, porque em algum momento você vai cobrar. Não adianta inventar que é uma cozinheira de mão cheia quando você nem sabe fritar um ovo. Não adianta mentir pra si mesmo dizendo que não tá esperando a resposta pra aquela mensagem, porque você tá. Uma hora essa pessoa criada por você desaparece e entra em cena quem você realmente é. Então, poupe tempo e se mostre! Se o outro não gostar, sempre tem alguém que gosta.

É simples assim, mostre a que veio! E daí que você é paranoica, gosta de mandar mensagem a cada 5 minutos, e precisa ouvir a voz do outro a cada hora? Essa é você, aceite. Se o cara se afastar, é porque você não faz o tipo dele e pense bem, ele fazia mesmo o seu tipo? O que adianta estar com alguém que não se interessa por você por inteira? Eu repito sempre: a gente ama o outro pelos defeitos. Se você pode suportar os defeitos do outro, acha eles até bonitinhos, você realmente ama.

Adianta estar com alguém que te acha linda, charmosa, inteligente, fofa, mas que no fundo detesta seu jeito de falar, e quando você faz piadinhas infames? E sempre que pode solta uma de que você devia mudar tal coisa(não no sentido de crítica construtiva, mas sim porque é algo que não o agrada). Queira estar com alguém que se orgulha das suas piadinhas infames, do seu jeito de falar, do seu péssimo gosto musical, enfim… de alguém que olhe pra você com olhos de encanto e diga pra todo mundo o quanto você é especial.

Ligue, corra atrás, mande mensagem, procure, adicione, marque encontro, suma, reapareça, suma de novo. Sem exagerar, sem se omitir, sem se precipitar, nem perder a hora. Tudo ao seu tempo e a sua medida! A medida de cada um só se conquista colocando na balança “Id” e “Superego” ou até sobrevivendo a essa guerra entre os dois. A disputa é inevitável, então, a faça ser proveitosa para o seu “Ego”. Se tiver que ser, vai ser. E acredite em mim, geralmente vem de onde você menos espera.


19 Responses to “Do jogo da conquista.”


  1. 1 Monick Melo
    20 de setembro de 2010 às 12:22 PM

    Muito bom esse post…me identifiquei bastante com ele pois tive um relacionamento conturbado, onde me anulei completamente e acabei perdendo minha essência, terminamos a 2 meses, gosto muito dele ainda mas creio que essa minha obssessão é mais pra poder mostrá-lo quem realmente sou pois fiquei irreconhecível, minha família e meus amigos disseram isso e tbm acho que fiquei estranha nesse relacionamento.

    Por isso, de agora em diante eles terão que gostar de mim como sou, louca, que detesta sushi (comia só pra agradar), que adora dançar e manda as pessoas chatas de fuderem sem medo de ser feliz.

    • 20 de setembro de 2010 às 6:47 PM

      Valeu Monick! Acontece com mais frequência do que a gente pensa… Acho que é como eu disse no texto, se ele não gostar de quem você é de verdade, sempre tem alguém que gosta.

      E a propósito, detesto sushi também! Hahahaha 🙂

  2. 20 de setembro de 2010 às 6:41 PM

    tem uma amiga minha que vai adorar esse texto,

    tava conversando com ela sobre isso dia desses!

  3. 5 Maria Resende
    21 de setembro de 2010 às 12:40 AM

    No caso, eu sou a amiga que Tôp tava conversando sobre isso. 🙂
    Meu querido, esse é, de longe, um dos seus melhores textos. Talvez pelo fato de eu ter me identificado e estar passando por essa situação de “dúvida” do que fazer ou não na hora da conquista. Você já tinha me ajudado muito, na hora que conversamos, e depois desse texto mais ainda. Não existe “fórmula certa” para nada na vida!
    Obrigada mais uma vez,
    Beijo!

  4. 6 Maria Resende
    21 de setembro de 2010 às 2:02 AM

    Ah, Alice… Agora que Bruno me disse que foi você quem escreveu o texto. Que os elogios que fiz sobre o texto, fiquem pra você! Parabéns. 🙂

  5. 8 Roger
    21 de setembro de 2010 às 2:31 AM

    Minha pequena.
    Adoro ver a desenvoltura do seu fluxo de idéias.
    No geral acho que seu texto fala muito sobre as inseguranças de lhe dar com o desconhecido.
    A maneira como você critica o comportamento de muitas pessoas é concisa e seus argumentos são bem sólidos.
    Porém, te conhecendo de perto, sei que você sente que essas teorias são tão belas quanto, algumas vezes, são falhas na prática. Nem sempre se consegue ser assim como você esta propondo. No fim das contas as pessoas querem que as coisas dêem certo “para elas mesmas” e não vão poupar esforços pra isso. Principalmente lhe dando com o desconhecido. Com experiencia e prática vai se aprendendo a lhe dar com essas situações. Quem tinha medo do escuro quando era pequeno? hahahaha
    Então, metaforicamente, se algum espião do outro lado da ponte te passa algumas, digamos, coordenadas a pessoa precisa ser A “Super-Segura-De-Si” do mundo para nem sequer tentar segui-las. Acho que não existe ninguém assim, é humano temer o desconhecido.
    Essa preocupação, em níveis aceitáveis é bem normal e vai sumindo com o ganho de intimidade e confiança.
    Não se esqueça, medo é um instinto muito útil, está diretamente ligado à auto-preservação. Basicamente evita que você bata “muito” com a cabeça na parede. Tudo só depende da maneira como você administra esse medo: você fica estático, paralizado? Ou você enfrenta isso e arrisca seguir em frente?
    Desejo coragem a todos os aventureiros, sejam autênticos mas atentem para todos os sinais no caminho para saberem o ritmo certo das coisas! 🙂

    • 21 de setembro de 2010 às 2:40 AM

      Rogs, meu queri! Agradeço os elogios. Concordo com você: “people fear what they don’t know”. Ter medo do desconhecido é válido, fazer um conhecimento da área, pesquisar aqui, perguntar ali sobre a pessoa que você tá interessado é super válido. O que desaconselho é a fuga da realidade, se tornar uma pessoa pra agradar o outro. Mas, ser transparente, além de mais fácil te poupa de futuras mágoas. Fingir ser quem não é, não dá futuro, porque ninguém sustenta uma mentira pra sempre.

      Fica meu conselho: “To whom it may concern: only run with scissors, when you want to get hurt…”

      Se você sabe que essa “estratégia” não funciona, geralmente você tenta algo diferente… Adianta dar murro em ponta de faca? Ser você é o principal, o resto se dá um jeito.

      • 10 Roger
        21 de setembro de 2010 às 2:44 AM

        Sim, fingir ser algo que não é, só adia um constrangimento. Esse adiamento uma hora vai pipocar lá na frente e dependendo do tempo, o pipoco é bem maior.

  6. 11 Rodrigo Louriçal
    21 de setembro de 2010 às 8:16 PM

    Mandou bem demais, ficou foda. Tem nem o que dizer excelente.

  7. 13 Filipa
    22 de setembro de 2010 às 2:45 AM

    o negoço é chutar o balde, fechar os olhos e correr para o abraço,
    o que foi foi, o que não foi não era pra ser!
    a conquista é que nem o poker, bom jogador é aquele que não sabe como ganhou,
    só sabe que ganhou!
    oieieoieoieoeioieoeioeie

  8. 14 Flora F.
    23 de setembro de 2010 às 3:58 AM

    Alice, como disse antes, esse texto tá muuuito bom! 😀

    Tu devia escrever livros, sério meesmo!

    Beeijos

  9. 16 Bruna
    23 de outubro de 2010 às 10:03 PM

    Título: ORAÇÃO PARA CONQUISTAR ALGUEM
    >
    > Escreva, na sola do pé esquerdo, o nome da pessoa amada e aperte no chão dizendo: debaixo do meu pé esquerdo, te prendo, te amarro e te mantenho pelo poder das 13 almas benditas. Que assim seja. Que você venha me procurar em 24 horas dizendo, que me ama e que quer ficar comigo. Enquanto não você vier, não irá comer, não irá dormir e nem tera vontade de outra mulher a não ser eu. Assim será e assim seja. (Publicar 4x e não revelar o sonho dessa noite a ninguem).
    >

  10. 17 Bianca
    27 de outubro de 2010 às 8:15 PM

    Vc escreve MUITO bem e tal, mas eu ñ concordo. Acho que a gnte deve SIM deixar o cara sentir saudades, deixar ELE pensar se nós iremos ligar ou não e não NÓS meninas ficarmos aflitas, esperando que ele ligue no dia seguinte e, no final, ele acabar NÃO ligando.
    Pensa pelo nosso lado (meninas), aquele cara que vive nos ligando, que não sai do nosso pé, que vive mandando mensagenzinhas no msn, orkut, celular, nós SEMPRE odiamos e ñ vemos a hora de ele se tocar e largar do nosso pé LOGO, mesmo que ele seja bonitinho. É a mesma coisa com os garotos, EXATAMENTE a mesma coisa, TUDO que é demais uma hora enjôa! Concordo na parte que devemos deixar as coisas fluirem naturalmente, mas ligar a hora que quisermos, mandarmos mensagens a hora que quisermos, se quisermos a cada minuto devemos mandar a cada minuto, isso é totalmente equivocado. Nós meninas devemos aprender a nos policiar e não ser TÃO ansiosa como somos, desesperadas para que as coisas aconteçam na hora que queremos, do jeito que queremos e com a facilidade que queremos. NADA é fácil e conquistar tbm não. A palavra se designa “conquista” e é mostrado no dicionário como: “Saltar obstáculos,transpor muralhas e chegar ao alvo determinado, ocupar o espaço que parecia impossivel.”
    Se não for assim, sinto muito, não é conquista é sorte e sorte a gnte só precisa sentar e esperar p que ela aconteça. Se queremos MUITO algo, devemos faze-lo por mais difícil que possa ser e a ARTE DA CONQUISTA é um dom que foi dado a nós mulheres, temos de saber usa-lo apenas.
    Desculpa por ter dito isso, mas é com sinceridade o que eu acredito realmente!
    beijos

    • 27 de outubro de 2010 às 8:25 PM

      Bianca, obrigada pelo elogio.

      Quanto ao seu comentário, não tem o que se desculpar. Gosto de saber o que acharam, se concordam ou discordam das minhas ideias, afinal, não sou absoluta no que digo.

      Acho que o maior problema são os extremos. Nem sumir, nem ficar muito atrás. Cada um de nós tem que encontrar a sua medida. Eu não incentivo ninguém a ficar ligando, mandando mensagem ou correndo atrás, aconselho sim, a fazer o que o coração mandar. Se você precisa mandar a mensagem, mande! É o seu coração que deve ficar no controle, é claro que, sempre com uma ajudinha do bom senso!

      E quando você diz “nós SEMPRE odiamos e ñ vemos a hora de ele se tocar e largar do nosso pé LOGO, mesmo que ele seja bonitinho”, eu discordo simplesmente porque conheço muitos casos onde a pessoa é tão carente que isso cativa muito ela, uma pessoa que liga sempre, é atenciosa. E a arte da conquista não é algo exclusivamente feminino, é uma arte de todos nós.

      Volte sempre e se sinta à vontade para expressar sua opinião, mesmo que contrária a minha! Um beijo.

  11. 29 de novembro de 2010 às 6:35 PM

    …Adorei esse post cabe direitinho para o que estou vivendo, já cheguei a fazer tudo que se esperava em uma relação de bom ,mas não vingou, por conta de eu acabar inventando um personagem que eu não era, aos poucos não consegui e mostrei quem eu era, o que seria o certo desde o começo, eu era inseguro, carente e extremamente sensível e demonstrava ser : independente e suuuuuuper autosuficiente, deixei a outra pessoa apaixonada por alguém que não existia, hj AINDA tento me recuperar dessa relação que durou 1 ano e 7 meses e eu ainda penso e amo, como se diz o ideal é não pensar muito e ceizr acontecer sendo vc mesmo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: