26
dez
09

Sem sal, sem açúcar. Muito álcool.

É que hoje eu vou dançar com a primeira que aparecer. Não vou me envolver, de preferência, nem o nome quero saber. Só por diversão e puro desprendimento. Vou beber até tombar. Até cair. Até esquecer.

Você pode muito bem fazer que não me viu no salão. Pode ignorar. Mas nunca esqueça que o assunto é muito sério quando se trata de amar.

Porque você me largou? Eu te fiz tudo que pude. Eu te amei mais, muito mais do que pude. Fiz do meu tudo você, bem querer.

Se não for pedir muito, só quero que não me diga nada que não seja verdade. Mais valem as verdades feias, do que mentiras bonitas. Será que você ainda é a mesma? Será que você nunca foi quem meu coração dizia ser?

Meu coração que já não aguenta sua ausência bate ao revés. Bate numa armadura. E você não me olhe assim, nem desolhe. Olhe nos meus olhos. Me reconheça.

Por tanto tempo dividimos a mesma cama. Planejamos. Sonhamos. Demos nomes aos que viriam. Confessamos nossos pecados. Morremos de amor.

Hoje eu vou beber e dançar até cair com a primeira que me olhar. Não precisa nem cativar. A moça da flor na cabeça ali no bar, ou até a outra que sorri um riso fácil, numa mesa. Que seja.

E eu vou dançar, outro corpo circular. Não vou esperar uma vida contigo, meu bem. A tua dança não me traz nada muito que esperar.

Vou beber até cair. Até bambear. Até nunca mais lembrar. De nada vale tudo, sem ter alma. Preciso mesmo é estar humilhado, no chão, sem eira nem beira. Sem honra.

Preciso beber até eu ser só coração. Até eu dizer verdades. Até encobrir o orgulho. De que vale a honra? Sem pudor, meu amor: te trago meu coração em uma das mãos, que é pra na outra caber o cafuné.

E eu falo, que é pra ver se derrete o teu coração. Porque esse coração em uma de minhas mãos não tem outra por quem bater. Ele bate como sempre, a sua canção. Enquanto meu desejo cabe sempre, muito bem em você.

 

 

 

 


7 Responses to “Sem sal, sem açúcar. Muito álcool.”


  1. 26 de dezembro de 2009 às 2:41 PM

    eu ia escrever uma assim com ‘a flor’ de los hermanos como ancora
    SHUSISUIHUISUISHUISHUISUIHSUIHUS
    ficou mara como sempre ;}

  2. 2 Nataly
    26 de dezembro de 2009 às 7:39 PM

    Muito gracioso o post… E a foto, ah a foto… Eu acho que eles faziam um lindo casal..haha… Beijos, e ótimo final de ano…
    http://natalyfala.wordpress.com/

  3. 28 de dezembro de 2009 às 3:09 PM

    Preciso beber até eu ser só coração.

    Que frase arretada.

    Parabéns, lindo texto.

  4. 28 de dezembro de 2009 às 11:23 PM

    “Preciso beber até eu ser só coração. Até eu dizer verdades. Até encobrir o orgulho. De que vale a honra? Sem pudor, meu amor: te trago meu coração em uma das mãos, que é pra na outra caber o cafuné.”
    Adoreiiiiii 😀
    Feliz 2010!!

  5. 29 de dezembro de 2009 às 7:05 PM

    Nossa fazia tempo que não passava por aqui, mas realmente você continua ótima!

  6. 6 Nanda G
    2 de janeiro de 2010 às 1:25 PM

    essa musica, torna tudo tão tão, perfeito! amei o blog

  7. 7 Luiza
    3 de fevereiro de 2010 às 5:03 PM

    prima, adooorei esse, juro!
    muito bom.

    te amo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: