25
out
09

A menina que usava a cegueira da conveniência para enxergar através da lente alheia.

(Eu não recomendo esse post pra quem não assistiu “Te amarei para sempre” e pretende ver).

 Sábado à noite, foi à locadora. Entrou e procurou pelas filmes de comédia romântica. Gostava de viver as histórias de cada filme, como se ela fosse a mocinha. Durante algumas horas ela foi Audrey Hepburn em “Bonequinha de Luxo”, em outras foi Julia Roberts em “O casamento do meu melhor amigo”. Viajou o mundo, correu muitos riscos, foi famosa, pobre, espiã, feliz, empresária, mãe, triste, incompreendida, prostituta, mal-amada, bailarina, amada, odiada, cantora e devorada. Ela gostava de acreditar que amores como os do cinema aconteciam de verdade. Se não aconteciam de verdade, eram reais para ela. Vivia cada romance desses, aproveitava cada história como se fosse a dela e a cada fim de filme, era como um final de uma vida para um recomeço de outra. Ela poderia ser o que quisesse ser.

Chamou o cara da locadora pra ajudar, ela sempre pedia ajuda. Ele já conhecia o gosto dela para filmes, barrigudinho e com aquele olhar estranho, sempre indicava algo que ela gostava. Dessa vez ele indicou: “O melhor amigo da noiva”, “Muito bem acompanhada”, “Do que as mulheres gostam” e “Casamento grego”.
– Se eu fosse você levava todos, aproveitava a nossa promoção. Sabe né? Levando 3, ganha 1.
Ela pensou, lembrou que não faria muita coisa nesse final de semana, e fez que sim com a cabeça enquanto dizia:
– Então é isso! Vão os quatro.

Pagou, se despediu e voltou a pé pra casa. Chegou, e já começou a ouvir: – Esse final de semana você não sai do quarto né? Vou ligar pra Marcinha pra ver se ela te tira de casa, menina! Onde já se viu? Na flor da idade e se prendendo em casa desse jeito… Vai perder a juventude, filha! A menina já tinha aprendido a ignorar isso. A matraquisse da mãe era como um cheiro ruim, em poucos minutos o organismo acaba se adaptando. Ela realmente não se importava! A juventude dela tinha sido mais bem vivida que a de qualquer um, perseguindo bandidos na Itália, dando uma de turista em NY, ou fazendo compras em Miami. Ela era definitivamente feliz assim.

Fechou os olhos e apontou pra um, saiu “Casamento grego”. Achou a atriz da capa feia, então fraudou o próprio sorteio e fez de novo. Dessa vez saiu “O melhor amigo da noiva”, agora sim! A atriz é linda, se achou parecida até e ficou tentando lembrar o nome dela… – Michelle Monaghan! Falou para a capa de DVD, logo depois de ler o nome. Colocou o filme, olhou novamente para a capa do DVD e pensou “realmente me pareço com ela!”. O menu do filme apareceu junto com seu pai que ao entrar no quarto disse que não acreditava que ela iria ficar em casa vendo filmes outro final de semana… Falou, falou, falou.

A sua costumeira indiferença estava sendo colocada em prova hoje. Se cansou, e para poupar o falatório se vestiu, e saiu (pro cinema). Comprou pipoca e refrigerante, e escolheu “Te amarei para sempre” para assistir. Sentou na sua poltrona, e esperou ansiosa pra saber quem seria hoje, onde iria, e o que faria. Ficou feliz quando viu a Rachel McAdams na tela, “pelo menos é bonita!”, pensou.

Hoje ela era mulher de um cara que viajava no tempo involuntáriamente por conta de uma rara modificação genética. Quis ser o mocinho hoje, detestou ter que ficar esperando por ele e invejou não ser ele viajando por aí, vendo e revendo situações. Se contentou em não ser ele apenas pelo fato de achar lindo o ator, que hoje seria seu marido. Ela se viu ali, falando com ele pequenininha, sentiu as mesmas emoções. Esteve no campo conversando com ele, trouxe roupas para aquele que um dia seria seu marido. Ano após ano esperando sempre no mesmo lugar que ele retornasse. Até que os dois se encontraram no mesmo momento e se apaixonam. A menina podia sentir as borboletinhas no seu próprio estômago.

Sofria como a mocinha, por ter que esperar quando ele sumia. Já que o curso da vida dela era normal, enquanto ele desaparecia, sem data para retornar. Sentiu ciúme quando ainda criança ouviu falar que ele tinha uma esposa. Sentiu um aperto no coração quando a mocinha, a Clare, perdeu o bebê. Teve ódio do Henry quando ele se operou. Amou ele demais. Se envergonhou e se sentiu invadida ao pegar ele lendo seu diário. Sentiu uma dor enorme no peito quando o beijou no último natal. E se sentiu mais viva do que nunca enquanto corria por entre as árvores para seu último encontro com ele. O que seguiu foi um vazio, por ter ficado viúva. Quando as luzes se acenderam ainda se sentia bastante Clare. Estava chorando.

Limpou o rosto, arrumou o cabelo e saiu da sala refletindo sobre tudo que tinha vivido nas últimas duas horas. Tinha conhecido um homem que viajava no tempo e se apaixonado por ele, quando criança. Encontrou ele no presente, se casou, o traiu com ele mesmo, teve uma filha e ficou viúva. Amou para sempre. Nem filmes tristes como esse traziam ela de volta à realidade. Ela preferia sofrer a história de outros. Não via graça na vida real, a não ser que um dia virasse um filme…


5 Responses to “A menina que usava a cegueira da conveniência para enxergar através da lente alheia.”


  1. 1 Nataly
    25 de outubro de 2009 às 9:21 PM

    Já tava doida pra assistir a esse filme..
    Eu nunca me importei em saber ou não o final, acabei lendo tudo.. Agora to mais que doida, to na pura vontade…

    Me senti a própria personagem do post.. Vivendo a vida através de filmes

    http://natalyfala.wordpress.com/

  2. 26 de outubro de 2009 às 12:02 PM

    Parece com Michelle Monaghan! Convencida demais, papai do céu…

    Vou presumir que, mesmo o texto se referindo à personagem em terceira pessoa, ele possa refletir um pouco do que está se passando contigo.

    Passei um bom tempo dessa mesma forma, me entupindo com filmes e me envolvendo com eles. Por exemplo, em “A Proposta”, quando rola entre o futuro casal aquele primeiro abraço de sentimento, onde os dois demoram tempo demais se “cumprimentando”, eu tive uma vergonha danada por ela, como se estivesse acontecendo comigo.

    Já no final, quando ela sai depois de ter feito todas as revelações, eu fiquei com aquele aperto no peito, desespero, e antes mesmo de o filme propor a idéia, já estava pensando em correr atrás dela e dizer tudo o que sintia.

    Tem gente que é assim. Muitas pessoas me chamam de despreparado, imaturo, bobo, etc. Eu não discordo deles, só não acredito muito que estou perdendo qualquer coisa em sentir tão intensamente minhas emoções, ou sucumbir à minha susceptibilidade. Eu gosto de ser levado pelo momento, e ver meu coração quase sair pela boca quando abraço, dou um cheiro ou beijo quem eu gosto.

    Falei tanto de mim na esperança de que esteja certa essa virtual “identificação” entre os nossos jeitos de ligar com os sentimentos. E tudo isso pra te dizer uma única coisa: você vai achar alguém que te dê tudo. Parece clichê, parece demorar, parece que não vai acontecer – mas vai.

    Paciência e posts, muitos. A primeira para evitar a fadiga (como diria Jaiminho do Chaves), e os derradeiros pra aquele velho e bom desabafo.

    Beijos e se cuida. Ótimo post. Vc sempre traduzindo com um jeito muito especial e terno tudo que é mais difícil de se compreender nos sentimentos.

  3. 28 de outubro de 2009 às 3:33 AM

    Tuca, a personagem do texto não sou eu. Só pra deixar claro que não me acho parecida com Michelle Monaghan, apesar de achar ela linda… Seria uma doce ilusão, hahaha 😉
    Beijo.

  4. 4 @gugadomingos
    29 de outubro de 2009 às 6:11 PM

    Que doideira!! rs Não conhecia esse filme, agora fiquei com vontade de ver!! =) bjs.

  5. 5 Mary
    6 de novembro de 2009 às 11:57 PM

    Ahh…legal!!
    Vi por acaso esse trailer antes mesmo do filme ser lançado nos EUA e me apaixonei de cara (só a música do Lifehouse já me conquistou :P) Não sabia que tinha vindo aqui para o Brasil com esse nome!!
    Enquanto o filme não estreiava, corri atrás do livro, que é um tanto enrolado por causa desses vai-e-vem no tempo, mas também é maravilhoso!! Recomendo.

    Louca pra ver o filme…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: