04
set
09

Maçãs Podres

maça

Eu penso que uma pessoa só se torna adulta, quando ela coloca na sua cota de experiências de vida, um acontecimento realmente doloroso, uma coisa que seja o divisor de águas dela. A vida antes disso foi de um jeito, e depois desse acontecimento passou a ser totalmente diferente.

Como eu já passei por isso, eu passei a procurar por esses acontecimentos nas pessoas, pra ver se elas já amadureceram de verdade… E quase sempre, só escolho pessoas marcadas para ficar perto de mim, porque essas sim podem entender meu verdadeiro eu, sabe?

O que me levou a pensar sobre isso, foi quando eu sai do meu quarto, e vi meu pai chorando feito uma criança. Sabe no começo quando eu via essa cena, eu não sabia como reagir… Era algo tão… Não existe uma palavra para expressar o que sentia, eu só ficava ali parado impotente, ou me escondia, fingia que não acontecia, e também me forçava a não pensar no tal acontecimento, é algo que guardei a sete chaves e que me amargurou muito, e só há pouco tempo quando re-abri esse momento, eu pude entender o quão grande fora meu erro.

Foi também nessa semana, que consegui voltar a chorar, desde o acontecimento, eu lembro que só chorei uma vez, quando bateu saudade… Dele, e de um amor de criança que tive, um amor pós acontecimento, que demorou dois anos pra se esvair. Dois anos, mais de oitenta garotas, e duas namoradas… E quando nos reencontramos, eu descobri que o que sobrou foi o vazio… Nem carinho, nem pena, nem rancor… Só o vazio… Eu chamo de amor de criança, porque foi um sentimento inocente, muito perto do amor que hoje conheço, um sentimento que encobriu o buraco em meu peito, ou pelo menos camuflou-o muito bem.

O engraçado, é que eu descobri, o quanto me custou ter rejeitado a dor, ter fugido da verdade, ter me escondido em personalidades criadas para me proteger… Eu percebi há pouco tempo quem sou, e não me agradei muito com isso. Eu amadureci, me tornei um homem que antes queria, lógico que ainda tenho minhas infantilidades, tenho meus defeitos, que são poucos, mas que são de tal intensidade que valem por muitos… Eu me tornei um cara diferente do que achei que ia ser, e hoje eu não sei que destino eu quero ter…

E isso se reflete em cada escolha da minha vida… As escolhas amorosas passaram a ser mais confusas, antes eu só admirava um estereotipo de mulher (todo homem tem uma fraqueza por um estereotipo de mulher, num post futuro falarei disso), hoje eu não tenho preconceitos… Não a toa que a mulher que amo, não faz parte desses estereotipo, ela é diferente de tudo que já imaginei… E cá estou eu, totalmente apaixonado… A vida é realmente uma grande ironia.

Mas voltando ao tema principal… A questão da maçã podre… Todos nós, humanos em geral, precisamos apodrecer um pouco, para poder entender melhor como a vida, infelizmente, é assim que as coisas são. Eu tava dizendo isso pra Alice, dia desses, que ela realmente é uma pessoa incrível, porque ela poderia ter apodrecido, mas não ela continuou doce… Não como era, um pouco mais forte… Mas manteve seu gosto doce… Enquanto eu, como uma laranja, fui azedando, e quando notei o que estava fazendo, não pude regredir…

Saiba que seu parceiro (a), também vai passar por isso (se já não passou), é comum isso acontecer, até porque nós humanos, estamos fadados a criar laços… Laços de amizade, amor, interesse, negócios… E os humanos tem um terrível defeito, eles nunca estão prontos pra morrer, ou pra aceitar a morte, por isso que dói tanto, por isso o impacto é tão profundo.

Se ele (a) já passou por tudo, vai chegar a hora que vai te confessar esse passado sombrio, e você terá que escutar com atenção, pois se não compreender bem, se não souber como camuflar essa ferida, você não é a pessoa certa pra ele (a). É algo natural, não tente fazer nada artificial, você vai entender quando a hora chegar. Assim como, se ele (a), não entender a sua dor, se afaste dessa pessoa, a não ser que ela ainda não seja madura, ai então, você deve compreender a falta de tato dela.

Não sei como explicar melhor as coisas… É algo doloroso demais pra remoer, porém é algo que você não pode, nem quer apagar… Os humanos tem dessas contradições… E um relacionamento só pode dar certo se ambos se completarem, não só nas alegrias, mas nas dores principalmente, porque quando a tempestade vem, é que mais precisamos de um parceiro. Como Chico diz “Ó pedaço de mim, ó metade arrancada de mim, leva o vulto teu, que a saudade é o revés de um parto, a saudade é arrumar o quarto, do filho que já morreu…”. Humanos perdem um pedaço de si, a cada novo relacionamento… Então porque continuamos a nos relacionar? Como estudante de economia, eu sei que “quanto for maior o risco, maior o lucro” e isso também se aplica a relações entre humanos, engraçado né? Nós precisamos da dor pra crescer, precisamos da alegria pra viver… Porque a vida, nada mais é que uma grande aventura, onde o prêmio final, é o amor e/ou felicidade…

Desculpa se esse post foi meio emo, mas é que depois de ver meu pai chorando, eu não consegui contar a historia engraçada que estava pra contar, tive que falar sobre isso… Meu próximo post será mais feliz, prometo. Hehe

 

~pra ‘entender’ minha ferida~

~cesto de frutos~


10 Responses to “Maçãs Podres”


  1. 1 Alice
    4 de setembro de 2009 às 5:07 PM

    Tôp, confesso que teu post me fez chorar. Primeiro porque conheco um pouco dessa tua história que contasse no post, segundo porque como já disse, aconteceu comigo também.
    Lindo o que tu disse. Acho que fundamental é “curtir” os momentos intensamente. Mesmo que seja dor, sentimento de perda… Enfim, a gente “curte” (e cada pessoa tem sua maneira de fazer isso, seja chorando, fugindo, mentindo para si mesmo…) até o fim esses momentos, que é pra quando eles forem embora, não sobre dor, mas sim as lembrancas boas. Principalmente nesse nosso caso, de perder alguém que a gente ama muito. Temos duas opções, apodrecer ou continuar doce… Não acho que você entra na primeira opção, em vários momentos adocicou minha vida com palavras bonitas, ou só escutando o que eu tinha a dizer com paciência.

  2. 2 João Moura
    4 de setembro de 2009 às 9:23 PM

    Continuar doce é um problema. A vida faz com que nos tornemos azedos, podres, e retornar ao estado de antes torna-se quase impossível. Mas nunca é tarde, ou é, depende de como se vê a vida e o que se faz com ela. ^^ o/

  3. 3 Thaly
    4 de setembro de 2009 às 11:42 PM

    ahh… eu tbm chorei… ver seu pai chorando deve ter sido dificil
    ;{
    melhoras,
    e no aguardo de textos felizes

  4. 4 Coraline
    4 de setembro de 2009 às 11:44 PM

    realmente…
    as pessoas vao apodrecendo…
    não conheço ninguem que tenha ficado doce
    =/

  5. 5 Alice
    5 de setembro de 2009 às 12:15 AM

    João Moura, pra mim, continuar doce não é um problema e sim continuar inocente. A diferença pra mim é que inocência me remete a tolice, já doçura me remete a um modo mais terno de viver a vida.
    Acho que não é impossível viver a vida docemente, impossível é viver de olhos fechados, ignorando os problemas.

  6. 6 Kélcia Rejane
    5 de setembro de 2009 às 12:20 AM

    Nossa… fiquei até sem ar ao ler isso… lindo!!! Tão sincero!!! E é claro q não faltou a vontade de chorar!!!

  7. 7 Julio Cesar
    5 de setembro de 2009 às 2:56 PM

    cara…
    que complicado…
    realmente as pessoas vao ficando podres com o tempo

  8. 8 Rodrigo
    5 de setembro de 2009 às 7:17 PM

    depois de tudo, não consigo mais sentir varios sentimentos..
    não cosigo mais chorar, tudo virá nada, comparada a o que ja passamos.

    parabéns pelo site bruno,
    abraço do seu irmão.

  9. 5 de setembro de 2009 às 9:01 PM

    “Humanos perdem um pedaço de si, a cada novo relacionamento… Então porque continuamos a nos relacionar?”

    Amigo… me diz o que você perdeu! Só existe algo certo que é, no clichezão mais “batata”, o fim das coisas.

    Tudo vai ter um fim e, independente deste fim, você ganhou. Seu cérebro tem mais informações, mais lembranças, mais emoções registradas… nós somos uma grande esponja e não perdemos nada… NADA!

    Quando as coisas acabam, não paramos de ganhar… Ganhamos em outras coisas, bebemos de outras fontes.

    Treine-se para deixar ir as coisas que você mais teme perder… Mestre Yoda.

    Pq elas vão. Isso é a única certeza que você pode ter.

    Viva e alegre-se! Estamos aqui para ler tudo, absolutamente tudo, o que sair dessa cabecinha… auheaehauehauh

    adiós Raposão encoleirado!

  10. 5 de setembro de 2009 às 9:17 PM

    eu não acho que a gente deixa de ganhar não?

    porém eu daria tudo que ganhei, pra não perder o que perdi, que foi meu irmão.

    ao mesmo tempo que ganhamos, nós perdemos, pra mim não há lucro nisso.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: