Arquivo para setembro \30\UTC 2009

30
set
09

Encaixe é TUDO!

Meu colega de blog que me desculpe, mas vou ter que discordar do seu último texto. Beleza não é tudo, encaixe sim, é tudo. Logicamente que se me perguntassem o que as mulheres reparam primeiranente nos homens, eu responderia: no visual. Beleza é fundamental, principalmente na primeira fase, a da conquista. Não existe nenhuma mulher que olhe pra um cara, e não avalie ele fisicamente antes de se relacionar. Afinal, é o único instrumento que possibilita a escolha entre Fulano ou Beltrano, se você não conheceu nenhum dos dois antes.

O que é belo pra você? Belo pra mim, é um sorriso cativante, um cara não tão alto nem tão baixo, nem tão gordo nem tão magro, que se vista bem, que possua a doçura numa voz gostosa, um nariz grande, e que me faça rir. Mas, cada um tem sua definição de belo… Que provavelmente vai ser exatamente a descrição de alguém. E é assim que acontece, alguém tem o que eu procuro e eu tenho o que alguém procura, isso é encaixe, isso são as pecinhas do quebra-cabeça encontrando sua posição, isso que é o mais importante!

Respondendo a pergunta do meu colega de blog (“como é que existem homem que gosta de mulher feia?”), tem homem que gosta de mulher feia porque ela simplesmente não é feia pra ele. O feio e o belo, são definições muito relativas, não necessariamente a minha definição de belo, vai ser a mesma que a sua. Óbvio que existe uma beleza padrão, aquela que é um acordo entre 99,9% das pessoas, ou sei lá, o que a mídia vai divulgando e fazendo a gente acreditar que é aquela a beleza real. O fato é que sabemos o que é aceitável na nossa sociedade como belo, mas, às vezes, algumas pequenas particularidades montam uma nova definição só nossa de bonito ou feio, aceitável e inaceitável.

As mulheres são sim, bastante criteriosas com a beleza. Mais até do que vocês, homens, acreditam em sua “vã filosofia masculina”. Só que pras moçoilas, beleza não necessariamente se consiste numa bunda bem feita, ou em peitos empinados (érr, deu pra entender, né?), como é pra a grande maioria dos rapazes. É realmente como dizem; “os homens pensam com a cabeça de baixo”(tive que reproduzir a baixaria, desculpem!), mas discordo quando dizem que as mulheres pensam com a cabeça, algumas pensam mais com o coração.

Ninguém sai na noite, esperando encontrar o amor da sua vida. Mas acontece de você se interessar por alguém superficialmente, e logo perceber que é uma pessoa especial, e aí, você acaba querendo conhecer mais e mais aquela pessoa, passa a se interessar pelo caráter, pelo que ela diz, o que ela sente, o que vocês têm em comum… E aí, acontece… Você se apaixona! Enquanto só queria sair tranquilamente pela noite, arrumar um “peguete” ou objeto sexual e tchau.

Os príncipes encantados existem sim, talvez não tão enfeitados e perfeitos como nos filmes e livros, mas estão por aí… E aí, quando você o encontrar, vai saber que é ele. É muito fácil pra alguns caras, pregar que o príncipe encantado não existe ou que ele é um banana, um idiota e que nós não vamos nos interessar por ele. Esse discurso facilita a vida dos cachorros (com o perdão da sinceridade), e atrapalha a das mulheres que acabam caindo nesse papinho… Enfim, não vou entrar nesse assunto.

Os cachorros tão aí pra, quem sabe, se transformarem em príncipes também! As pessoas estão sempre evoluindo, mudando e crescendo. Homens e mulheres, em constante evolução, isso independe do sexo… Em todo relacionamento, aprendemos algo novo. Aprendemos principalmente com nossos erros, para não repetirmos no próximo relacionamento.

Quero deixar claro que, pra mim, é tudo uma questão de ponto de vista. Se você está atrás de um relacionamento real, algo que passe de uma noite… Não adianta você ter uma mulher linda do lado, se quando ela abre a boca só sai asneira, se ela não é carinhosa, divertida , enfim… Se o resto não te satisfaz. Beleza é, de fato, o fator principal para um primeiro contato. Mas, depois, o que conta é o encaixe. O que é “encaixe”? Encaixe é ter reciprocidade, ter olho no olho, ter verdade, ter sentimento, é ter tudo aquilo que você procura no outro. E aí, entra o caráter, a personalidade, a voz, a pele, o cheiro, o que a pessoa fala, pensa ou sente e tudo mais. Para ser verdadeiro, tem que ter encaixe!

Do you want to know a secret? – The Beatles:

29
set
09

a beleza é TUDO

averdade

Se me perguntassem o que os homens mais reparam nas mulheres, eu prontamente responderia “no corpo”. É sério, sem generalizar ninguém, não existe nenhum homem hetero (e acho que até os que são coca-fanta reparam no corpo antes de tudo), que olhe pra uma mulher e não avalie ela fisicamente. É como o cara do filme “a verdade nua e crua” fala: “o homem não vai se interessar pelo seu caráter, pelo que você fala, ou pelo que você pensa, ele vai se interessar pelas suas curvas” (é algo assim que ele fala).

Não vou mentir, pra mim 70% é a beleza, 20% é o papo, 10% é algo especial que me chama atenção. Porém pra maioria dos homens a beleza é bem mais que 70%. Só que agora você deve ta me dizendo “e como é que existe homem que gostam de mulheres feias”, bem é porque ou eles são cegos, ou são bons samaritanos, ou são medrosos demais pra tentarem as bonitas, ou simplesmente não gostam delas e tão com elas só por estar (porque não arranjaram coisa melhor claro!).

Porém, como eu disse, sempre existe aquele algo mais, que pra mim só significa 10%, tem homem que coloca beleza em 70% e 30% no algo mais (não se importam se a mulher é tabacuda ou não, eles realmente não importam). Cabe a você descobrir qual é esse seu algo a mais, demora é verdade, mas você consegue achar. Isso vale pra homens e mulheres claro, principalmente porque mulheres não são tão criteriosas quanto à beleza.

Afinal, é só lembrarem que homem pensa com a cabeça. Com a cabeça de baixo (desculpe a baixaria).

Por vivermos numa sociedade machista, é que isso acontece, homens só querem saber das mulheres objeto, homens QUASE NUNCA estão buscando uma mulher para se apaixonar, ou para ter um relacionamento sério, a grande maioria só quer companhia pra uma noite… Melhor dizendo, querem uma peguete, pra poderem usar quando precisarem, e depois dispensarem a seu bel-prazer. Claro que essa parte eu estou generalizando, não estou dizendo que existem os principes encantados que vocês, mulheres, conhecem quando escutam os contos de fadas na infância. Porque esses principes encantados existem, só que eles são bananas demais, são fáceis demais, e QUASE NUNCA as mulheres dão valor pra os principes encantados, depois elas veem reclamar que eles não existem.

Esses cara existem, só que normalmente são grudentos, chatos, carentes… Acho que vocês sabem do tipo de homem que estou falando. Infelizmente pra vocês, os homens ou são 8 ou são 80, dificilmente você encontra um 44, 45, 46… Não há meio termos em homens, eles são preto ou branco, raro são os cinzas, ou melhor, os que fogem a essas cores pragmáticas, e são um vermelho, azul, verde…

Como já disse antes, homens estão esperando para serem moldados, dificilmente o homem que você conhece numa noite, vai ser o cara que você vai namorar três meses depois de ter um rolo com ele. Homem são bem mais instáveis que mulheres, eles, normalmente, são os que mais evoluem com um relacionamento, pois são os que entram nele mais despreparados, claro que isso não ocorre sempre, eu diria que 60% dos casos é assim, os homens aprendem mais num relacionamento que as mulheres, porque eles não são tão interessados num compromisso. Na verdade, a única fidelidade que o homem tem 100% é para com seu time, e olhe que muitos são vira-casacas… Falar nisso, cuidado com homens que já trocaram de time, eles não são confiáveis…

Enfim, você é bonita? Maravilha, você sempre será cantada. Você não é linda nem feia? Tá bom ainda, você se arruma e com certeza é o alvo principal dos inseguros, bêbados e tímidos. Você é feia? Explore o seu ponto forte, seja confiante, que qualquer homem poderá ser seu.

Se nada disso der certo, vire freira, porque quase nenhum homem não presta. Claro que eu sou uma das exceções. HSUISHUISHUSUIHSUI

26
set
09

o dia em que meu professor se apaixonou por mim.

Nunca fui uma boa aluna. Sempre mediana; é, eu era aquela aluna sentada no meio da sala (horizontal e verticalmente, fazendo um “xis” na sala, eu ficava exatamente no meio), que não fede nem cheira. Era tímida o suficiente para passar a aula inteira sem dar um “piu”, exceto quando o professor solicitava minha opinião. Isso na minha época de colégio. Na faculdade as coisas mudaram um pouco, ou melhor, bastante. A aluna mediana agora sentava na primeira fila (recebendo as respingadas de baba dos professores), sempre falava o que estava pensando, e não necessariamente precisava ser solicitada. Essa mudança, surtiu efeitos. Positivos e negativos, efeitos.

Era a primeira aula do Prof. Fulano. Ele entra, e começa a falar, baixo. A turma inquieta, não parava de falar, e eu buscava entender o que o professor dizia (e obviamente não conseguia, já que ele falava muito baixo). Em certo momento a turma parou de falar, e consegui escutar o que ele dizia; “…não me relaciono com alunos, não troco emails com ninguém além do representante de turma. Para mim, vocês não tem muito a acrescentar na minha vida. Vocês só poderão afirmar algo a partir do que eu disser e vocês interpretarem. Minha aula é insuportável, um monólogo chatíssimo e blá blá blá”. Pensei com meus botões, que idiota-bundão-metido, porém, era claramente cheio de conhecimentos.

Com o passar do tempo, o Prof. Fulano, foi mostrando que não era bem assim, que ele apenas usou da técnica de “oi, sou bruto e inatingível” para impor limites. A aula dele era simplesmente a melhor de todas, todos tinham abertura para dizer o que pensavam, sempre debatíamos sobre os assuntos. Em pouco tempo me percebi a aluna preferida do professor, e enquanto essa relação fosse estritamente professor-aluna, tudo bem pra mim.

Era de praxe que toda aula ele me chamasse para responder algo, ou dizer o que achava sobre tal coisa. A cada dia, o interesse dele pela aluna favorita crescia. Em pouco tempo os colegas de faculdade perceberam o interesse exacerbado dele, e começaram a fazer brincadeiras, dizendo que o professor era apaixonado por mim. Eu não me importava, levava sempre na brincadeira as piadinhas… Não passava pela minha cabeça que talvez eles tivessem razão. Até que minha colega me chamou num canto: “Alice, toma cuidado! Onde tem fumaça, tem fogo!”. Comecei a ficar mais ligada na situação.

Aos poucos o professor da cadeira mais interessante e divertida, passava a ser o maníaco apaixonado. De homem respeitado, e dono de uma barreira invisível entre os alunos e ele, para um cara apaixonado. Só podia ser mais uma das minhas doidices. Mas, as atitudes dele confirmavam minhas suspeitas, os assuntos dele comigo a cada dia se tornavam mais particulares, até que os assuntos acadêmicos iam desaparecendo quase totalmente.

Certo dia estava distraída na aula, em outro planeta, não era um bom dia. Percebi que o Prof. Fulano reparou isso. Ao término da aula, ele me chamou na bancada. Já imaginava qual seria o assunto, “onde você está com a cabeça hoje menina? Compreendeu a aula?”… Engano meu! Ele foi mexendo na bolsa enquanto dizia: “Olha, passei numa lojinha, e encontrei esse colar… A pedrinha dele combina com seus óculos, então, comprei pra ti!”. Eu congelei, se eu estivesse num desenho animado provavelmente era nessa hora que o chão se abria e eu me enterrava. Passei uns dez segundos parada, dura, tão viva quanto uma pedra.

Quando voltei à vida, percebi que metade da turma ainda estava em sala, e observando a situação. Agradeci, sorri, meu rosto provavelmente se transformou num vermelho pimenta. Queria sumir de lá, desaparecer. Numa fração de segundos, milhões de pensamentos passaram na minha cabeça, fiquei absorta, perdida nesses pensamentos, nem percebi o “tchau” do professor.

Fui acordada novamente pela minha amiga dizendo: “Alice, o que danado foi isso?”. Eu, desesperada disse: “vamos sair daqui, lá fora te explico isso!”. Saímos e fomos andar um pouco. Expliquei toda a situação pra ela. Eu queria me enterrar, e ela me deixava mais nervosa dizendo a toda hora: “e agora Alice? O que tu vai fazer?”. Eu dizia que não sabia, mas que ia evitar ser tão participativa nas aulas dele, e tentaria impor limites assim como ele tinha feito no primeiro dia de aula. Ela concordou, disse que eu estava certa.

A situação se acalmou, tinha conseguido impor essa distância entre o professor e sua aluna preferida. Tive umas semanas de tranquilidade, até um certo dia… Quando pensei que tudo estava resolvido, o representante de turma vem falar comigo no MSN: “Alice, o professor Fulano me pediu seu MSN, disse que tinha um livro que você tinha pedido e ele já tinha achado, daí eu dei, ok?”. Pensei: “tá, pode ser que seja só o livro…”.

Ingenuidade da minha parte. Ele disse que estava lendo um livro sobre sociologia da moda, e lembrou-se de mim. Até aí tudo bem, o problema foi que depois disso, ele só falava sobre coisas da vida dele, me perguntava coisas da minha… Estava sem saída, agora eu evitava entrar no MSN, entrava sempre em “Invisível”, e ao ver ele pelos corredores, literalmente fugia dele.

O mais tenso disso tudo, caro leitor, é que essa história ainda não teve fim. Enquanto você está sentado, confortavelmente na sua cadeira, provavelmente sem ninguém te perseguindo, reparando na cor dos seus óculos ou te chamando pro cinema… Eu posso estar sendo atacada (tá certo, não é pra tanto, ou é?).

23
set
09

Como perder um cara

 htlaguy

 Passeando pela internet, encontrei muitos textos de “como fazer um cara se apaixonar por você” ou “como conquistar um homem”. Existem bilhões desse tipo, cheios de dicas que tentam nos mostrar como nos portar, o que dizer, como nos vestir, para que o tal cara fique “gamadão”, por sinal dicas que nem sempre funcionam. Não achei nada que mostrasse “como fazer um cara desapaixonar” ou “como perder um homem”, o que seria muito útil em alguns momentos. Teoricamente seria apenas nos portar o contrário de todos esses manuais de “como fazer alguém se apaixonar por você”, simples né? Não é não, e a gente nunca para pra pensar nisso quando a situação tá difícil e precisamos urgentemente nos livrar de um cara. Por já ter passado algumas vezes por isso, resolvi dar uma mãozinha!

  Parece fácil fazer um manual às avessas, mas não é. Ser chata, insuportável e em alguns momentos patética, é uma arte (para poucas, ou nem tão poucas assim…)! Vamos lá… Se você já tem um relacionamento de algum tempo com o cara, fica ainda mais fácil, já é meio caminho andado. Afinal, já conhece as coisas que ele gosta (para não fazer) e as que não gosta (para fazer sempre). Se não, vou montar a básica e conhecida regrinha geral que acredito que vá servir para a maioria dos casos.

  Grude nele, esteja presente em sua mente 24 horas por dia. Isso serviria pra não esquecer? Depende da maneira que você vai parar na mente dele! Ligue, mande mensagens, diga que está com saudades de ouvir a voz dele (apesar de ter ligado 10 minutos atrás). Apareça durante a semana várias vezes de surpresa, na hora do almoço, no futebol do domingo, de manhã cedo, seja inconveniente mesmo. Se ele for do tipo “discreto”, mande entregar flores, ursinhos e cartões enormes e bem enfeitados no trabalho, ou no futebol com os amigos. Qualquer tipo de demonstração de afeto em público vale, e quanto mais escandalosa melhor.

  Seja volúvel, insegura, ciumenta e possessiva. Quando ele estiver com os amigos, ligue para peguntar com quem está, quando volta pra casa, se vai sair mais tarde (mesmo que ele já tenha dito várias vezes)… Uma hora você quer casar e ter cinco filhos lindos, na outra está abusada, enjoada e detesta crianças. Ligue no meio da madruga dizendo que teve um sonho ruim, insista para que ele vá na sua casa, se ele não for de jeito nenhum, finja uma crise existencial.

  Esteja um dia esperando na casa dele com uma lingerie nova e linda. Logo, chame ele pra sentar ao seu lado na cama e comece a chorar, sem nenhuma explicação e descontroladamente. Reclame de tudo, do horário que ele chega em casa, do modo dele se vestir, dos amigos dele, da mãe, do cachorro… Se faça de vítima. Chegue um dia com uma papelada imensa na mão, com opções de lugares para vocês viverem e criarem seus filhos. No meio dos papéis, opções de nomes e escolas para os filhos. E umas fotos de casas de praia e campo, para vocês irem aos finais de semana e feriados.

  Pergunte sempre como era o relacionamento dele com a ex, e sempre (sempre mesmo) se compare com ela, dizendo que você é melhor nisso e naquilo, mas em tal coisa a ex te supera. Fique amiga da mãe e das tias chatas, marque alguns chás para fofocarem juntas. Force amizade com os amigos. Sempre que ele disser que vai sair com os amigos, faça algum amigo te chamar, se não conseguir, ligue e insista para ir junto dizendo que já sabe porque não quer que você vá, é porque “a outra” vai (chore bastante, finja soluços).

  Comece a se vestir de maneira estranha, a se portar de maneira estranha. Seja infantil, fale coisas melosas o tempo todo. Quando saírem para um restaurante, por exemplo, não tenha classe. Tenha um surto feminista, diga que os homens não servem pra nada, que são uns safados inúteis… Logo depois, pare, olhe para ele e diga o quanto o ama, que ele é o homem da sua vida. Se faça de metódica, organize o horário da semana, os dias que provavelmente vão se ver, o que vão fazer e quanto tempo vão ter juntos. Se tudo isso não servir, desista e case.

  Pessoas, lógico que isso não passa de uma brincadeira, não aconselho ninguém a fazer isso. Se você não quer mais se relacionar com alguém, é bem simples, nada melhor que uma conversa transparente e direta. Afinal, o cara não tem culpa de gostar de você… E, se é o caso de você não querer perder um homem, aí é só dar uma olhadinha nisso tudo e não fazer! Só mais uma coisinha, também não aconselho os textos do tipo “como conquistar um cara”. Não adianta você se portar, se vestir, andar, agir como aconselham, porque isso nunca dá certo e no fim das contas, acaba sendo só uma maquiagem que quando vai saindo, o relacionamento acaba ficando sem sentido, já que o cara se apaixonou pelo seu “eu maquiado”, que não existe e não por você. Seja você com todos os defeitos e qualidades, e alguém vai aparecer e te aceitar desse jeitinho.

Para continuar no clima bizarro de mulher louca e rir muito, o filme “Como perder um homem em 10 dias” é uma boa pedida:

20
set
09

Encoleirando

coleira

A arte de flertar. Eu tava conversando com uns amigos meus, dia desses, e lembrei disso, eles me disseram “p#$$@ tôp, o que houve contigo?”. E ai eu fiquei com isso na cabeça sabe? Não que eu tenha mudado da água pro vinho, mas é que… Bem, como já falei, eu acho que eu do tipo ‘raposa’ (ou pelo menos era), e pra mim, não era interessante me amarrar, porque a melhor coisa que existia pra mim era flertar, nem precisava consumar o ato todas às vezes, só flertar mesmo, porque flertar sempre acaba em situações boas (um fora, que normalmente é engraçado em si, ou uma aceitação que é empolgante).

Bem agora eu estou encoleirado, e feliz com isso, mas não pude deixar de lembrar de como era, principalmente depois de ver um conhecido meu, muito parecido comigo, ficar flertando por ai, que os homens ‘raposas’ não são assim por quererem tripudiar das mulheres. Como já disse nos posts passados, eu acho que eles sempre vão encontrar uma coleira, mas até que encontrem, eles sempre vão ser indecisos.

É que nem na música da Kate Perry “cause you are hot then you are cold, You are yes then you are no, you are in and you’re out, we kiss, we make up, you don’t really want to stay, no, but you don’t really want to go”. Não é que ele não queira, mas é que também ele não quer seguir adiante. Só que ai é como minha amiga minha disse, mulher pensa assim “quer exclusividade? Peça em namoro”, então se ele quiser você INTEIRAMENTE pra ele, com certeza ele vai ser coagido a te pedir em namoro.

Agora, você não pode simplesmente cobrar que ele pare de cortejar as pessoas, porque isso é da natureza dele, acho que você deve se preocupar mais é com a lealdade dele à você. Pois cortejar outras garotas, ele vai cortejar, às vezes até sem querer, mas vai, então não dá pra você discutir com ele toda vez que o fizer, vá aceitando aos pouquinhos, que ele vai parando de cortejar, vai focando os flertes e os cortejos mais em você, porque do mesmo jeito que você é inteiramente dele, ele vai passar a ser inteiramente seu. Ai você diz “mas p#$$@ desde que ele me pede em namoro ele deveria ser exclusivamente meu!”, mas é como Alice disse num post anterior dela, a sociedade é machista, por exemplo eu te pergunto, sem preconceitos nem nada, mas quem é que tem mais liberdade pra fazer o que quer, o homem ou a mulher? O homem claro. Eu sei que existem as mulheres (e alguns homens) que são excessão à regra, mas se você é uma excessão, pra você encontrar um que seja uma excessão também, e mais importante ainda, pra que você se interesse por ele… Isso sim é um conto de fadas.

Como no final do clipe de Kate Perry, o homem acaba sucumbindo a pressão e aceita levar o relacionamento pra um estágio mais ‘claustrofobico’, porém você não pode esperar que ele deixe de ser uma ‘raposa’ pra se tornar um cachorrinho adestrado da noite pro dia, a evolução vai acontecer, de pouquinho em pouquinho, a velocidade vai depender do seu poder de persuasão, e mais importante de seduzi-lo.

É feito um amigo meu me disse dia desses sobre um rolo dele aí “tôp ela não sabe me fazer querer só ela sabe?”. E olhe que ele nem é do tipo ‘raposa’, ele seria do tipo ‘cão’ normal, não pensa muito no que faz, só faz, e tem um carisma natural que justifica qualquer erro. Essa garota com quem ele está ficando, esta na mão dele há três meses, e nada, ele mesmo disse, que se ela soubesse fazer ele já estaria totalmente apaixonado por ela, e namorando facilmente, só que ela não soube ‘encoleirá-lo’ sabe? Deixou ele, e ainda deixa, fazer o que quer, sem se sentir culpado por pintar e bordar. É como eu já disse, se a mulher não colocar o cara na linha, raramente o relacionamento vai dar certo.

Afinal, homem é tudo igual, é tudo cachorro, só que, nem todo cachorro é igual, então cabe a você descobrir qual o brinquedinho preferido dele, e principalmente, qual o jeito como ele fazer para ele comer a mesma ração, achando ela a coisa mais gostosa do mundo.

18
set
09

Existe amizade entre homens e mulheres?


“Não existe amizade entre homem e mulher, Alice, acorda!”, a primeira vez que ouvi isso, quis chorar. Como assim que não existe? E os meus amigos, que eu tinha aquele sentimento de quase irmãos? Pensei muito no assunto, conversei com homens e mulheres para entender o que acontecia. Há quem diga que existe, há quem diga que não. Será que é possível que exista uma amizade verdadeira entre sexos opostos? Acho que, na verdade, pode existir sim, mas só pra quem acredita. Pra variar, não tem muita regra pra isso…

Como eu já disse antes, acredito que todo relacionamento é movido de acordo com os interesses de cada um. Me explico novamente, interesse não num sentido pejorativo, mas sim no sentido de cada pessoa buscar algo, ter suas expectativas em tudo que faz. Não existe uma relação se ninguém se interessa, ué! (bem óbvio, mas muita gente não enxerga). Pode ser que esse interesse seja em um “algo mais”, mas também pode ser que seja só algo em comum, um querer curtir uma companhia agradável, sem necessariamente rolar uma “tensão sexual”. Porém, isso é muito mais verdadeiro quando falamos das mulheres. Dos caras que conversei, noventa por cento dizem que com eles, a não ser que a mulher seja feia (desculpem, só estou repassando o ponto de vista), a amizade sempre começa com uma atração, e vai da mulher saber colocar os limites e dizer – e/ou mostrar – que é só amizade.

Digo que é mais verdadeiro com as mulheres, porque na maioria das vezes, não estamos pensando no “algo mais”. Simplesmente conhecemos um cara, conversamos, e tal… Nada demais! Daí que vem aquilo dos homens terem que conquistar, aos poucos irem colocando a idéia nas nossas cabecinhas. Não estamos sempre tãão antenadas nas possibilidades. Claro que, acontece de aparecer um cara lindo, fofo, interessante, e a gente se aproximar já com segundas intenções! Mas, no geral, rola de começar uma amizade só com esse sentido mesmo. O que é muito difícil com os homens.

Existem vários tipos de amigos. Tem amigos que tem veem como uma ficada em potencial e, às vezes, você nem percebe. Tem aqueles que VOCÊ vê como uma ficada em potencial também. Tem os amigos namorados das amigas, que sempre querem te agradar (na maioria dos casos não pensam em nada contigo). Tem o amigo que tá a fim da sua amiga. Tem os amigos ciumentos, que só querem o nosso bem, mas não desgrudam e atrapalham nossas paqueras. Tem os amigos grudinhos, que todo mundo acha que já rolou algo, ou que ainda vai rolar. Tem o amigo peguete, que você fica de vez em sempre, sem muito romance (nesse caso, cuidado, um dos dois pode realmente estar apaixonado).

Além dos muitos outros que não me vieram à cabeça agora, vai o mais especial: o amigo verdadeiro… Pode ser que um dos dois já tenha se interessado um pelo outro, ou os dois… Mas, vocês perceberam que é só amizade, possuem a cisma e possíveis paixonites muito bem resolvidas. É o tipo de amigo que te conhece tão bem que te entende pelo olhar, tem muito em comum com você, te faz cafuné quando você briga com o(a) namorado(a), te leva pro cinema pra te ajudar a esquecer o pé na bunda, ouve todos os seus casos, tá sempre lá pra você, te aconselha e te ama muito.

Tenho alguns amigos do sexo oposto. Amizades muito verdadeiras, que estão comigo desde pequena. Não troco eles por nada! Pessoas muito especiais que fazem minha vida mais divertida e bonita. A amizade entre mulheres tem uma carga emocional muito grande, é bom ter uma amizade, digamos, mais “leve”. Minhas amigas mulheres que me perdoem, mas ter amigos homens é muito bom! Primeiro porque me falam o que pensam na lata. Segundo porque me protegem em certas situações. Terceiro porque homens não gostam de fofoca, e essas coisinhas. Quarto porque é muito bom saber o que pensam os homens.

O natural é que homens e mulheres, se sintam atraídos. Se você tem uma amizade de muito tempo com o sexo oposto, é quase certo que em algum momento role uma atração, uma pulguinha atrás da orelha… Mas aí, é quando temos que ter cuidado! Para não confundir a admiração que sentimos com atração física. É bem fácil se apaixonar por um amigo, afinal, vocês são amigos, dependendo do grau de intimidade sabem muito um do outro e vivem juntos… Bom, se você tem certeza que se apaixonou pelo seu amigo, ainda rola aquele medo de estragar a amizade, de perder aquela pessoa tão querida. Calma, primeiro descubra se é isso mesmo. Você consegue se imaginar beijando o Fulano? Ou ele é como um irmão? De todo jeito, se você estiver mesmo apaixonada, vai ter que contar a verdade! Imagina só se ele sente o mesmo, mas também tem receio porque acha que você não sente nada? Abra o olho, relacionamentos que começam com uma amizade tendem a dar muito certo.

Para começar uma amizade, não é preciso muito; uma boa risada, coisas em comum e um bom papo. É assim sempre, independente do sexo. Se para os homens é preciso uma pitada de atração também, que seja! Cabe a cada um colocar os limites em suas amizades, e escolher qual nível e que tipo de amizade deseja ter com cada pessoa. Seguros e confiantes a respeito dos sentimentos de cada um, a amizade vai crescer e se manter. Afinal, ter amigos é uma das coisas que mais nos dá alegria de viver!

Deixo a sugestão de dois filmes que adoro:

O melhor amigo da noiva:

O casamento do meu melhor amigo:

18
set
09

futebol x mulher

fut

Lembrei de um assunto muito pertinente, o tal do conflito entre mulher x futebol. Isso porque nós brasileiros somos apaixonados pelo futebol. E vocês sabem por que? É simples, o nosso país é tão cheio de falhas que a população ao longo do último século se apegou a esse esporte que era seu único motivo de alegria. Estranho não? Mas pare pra pensar, você consegue ‘lembrar’ (não que você estivesse vivo, mas você já ouviu falar?) de um grande jogo antes dos anos 50? Foi na época de JK, mas precisamente em 1958 que o Brasil começou a flertar com o futebol, enfim… Vamos ao que interessa.

Desde os primórdios (ou seja, da década de 60 pra cá), existe esse conflito entre as patroa e o futebol. Porque tudo é questão de um imenso tradeoff (entre no google pra descobrir o que esse termo econômico significa), ao ir para um jogo de futebol, ver seu time jogar, ou simplesmente ao ir jogar bola com os amigos, conversar com os amigos sobre futebol, etc (enfim qualquer atividade relacionada com essa modalidade física) o homem abre mão de estar com a sua mulher.

Ai vocês mulheres não conseguem entender porque diabos um homem vai pra p$%%# de um campo de futebol, ficar suando num calor dos infernos, bebendo cerveja quente (hoje é proibido o comércio de bebidas alcoólicas nos estádios), gritando feito loucos nomes contra os juízes, e se arriscando a voltar pra casa fulo da vida porque a p$%%# do seu time perdeu… Realmente olhando assim não há um motivo lógico pra um homem trocar umas duas horas e meia com a sua mulher, dando carinho à ela. Mas ai é que está a questão que é feita há tempos! Por que então eles amam o futebol???

Porque homens são naturalmente carentes, e quando crianças, aprendem com seus pais, que o amor de um time de futebol, é pra toda vida (se ele é um torcedor de verdade, não vira a cassaca nem nos piores momentos), ele não vai nos dar um pé na bunda, não vai nos trocar por ninguém, nunca vai nos enganar, pode nos entristecer, mas é sem querer…

Eu disse isso a uma grande amiga minha e ela rebateu “Mas ele nem sabe que tu existe!” (ela fazia referência ao meu grandioso Náutico), e eu respondi prontamente “Eu sei, mas ele não precisa saber que eu existo, só precisa aceitar o meu amor”.

Não tem explicação, assim como qualquer tipo de amor, não da pra explicar, só da pra aceitar, por isso nada de você cobrar que seu namorado, ficante, marido, enfim parceiro, troque o seu time AMADO por você. E principalmente NADA de mandar ele escolher entre você o time amado dele.

Primeiro porque isso em si já é ridículo, pedir pra ele escolher entre duas coisas que ama, é a mesma coisa que pedi pra ele escolher entre você e a mãe dele, ou uma grande amiga, que você tem ciúmes, mas isso é errado, é medíocre eu diria. Primeiro porque, mesmo que ele te escolha, isso vai fazer mal à ele, e se você consegue ficar bem mesmo fazendo mal à ele, então você não o ama.

Comigo por exemplo, minha ex era timbu, o pai dela era diretor do Náutico, e tenho que confessar que isso era muito bom. A minha namorada atual (e espero que seja pra sempre), é rubro-negra (pobre coitada) e isso realmente torna as coisas difíceis em alguns momentos, mas eu vou fazer o que? Eu aceito que ela é Sport, até implico com ela um pouco, mas aceito, assim como ela aceita que eu seja Náutico, eu tenho certeza que ela às vezes se sente chateada porque eu deixo de passar uma noite com ela, pra ir pra um jogo, mas ela entende no final das contas.

Por isso, se quer um conselho simples, não tente competir com o time dele, se possível acompanhe ele nessas jornadas futebolísticas (isso se você não tiver um time, ou não se importar com o futebol), assim você vai estar fazendo ele MUITO MAIS FELIZ, porque pelo menos pra mim, se Aninha (minha namorada), você pros jogos do Náutico comigo, tudo ia ser tão mais perfeito… Mas ela nasceu rubro-negra (pobre coitada!!!) e eu não posso mudar isso, até quero, mas não vou fazer nada que ela não queira ;D

a skol fala melhor sobre isso que eu:

Daniel Gentilli tambem